Textos deste blog podem ser reproduzidos, desde que numa base não comercial ou educacional, tendo que ser informado, o autor, sobre qual o sítio onde essa publicação será feita e que os extractos sejam citados com a indicação do seu autor, e sem alteração do texto.

 

 A sua reprodução deve incluir o nome do autor e a fonte do artigo.

Procurar neste Blog


Motor de Busca com tecnologia FreeFind

artigos recentes

Nova morada

Guerra e Paz - e Pobreza

As mulheres não vão desis...

Movimento Popular de Oaxa...

Somos os Caracóis no Decl...

A guerra da comunicação e...

A APPO

Gestão de Crises

Uma revoução com um mínim...

Acampamento pela dignidad...

arquivos

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags


Estou no Blog.com.pt

subscrever feeds

blogs SAPO

Mapa de Visitantes (Neste Mês)

Localização de quem visita esta página
Segunda-feira, 20 de Novembro de 2006

Movimento Popular de Oaxaca com Seis Meses

Detenções, Desaparecimentos, Assassinatos e Violações dos Direitos Humanos são Inúmeras mas Não Conseguiram Parar a Luta

 

Por Nancy Davies
Comentário a partir de Oaxaca

17 de Novembro de 2006

Instalarem-se as mesas no acampamento de Santo Domingo agora ocupado pela APPO é uma clara indicação da gravidade do assunto dos direitos humanos em Oaxaca. A qualquer hora do dia ou da noite é possível encontrar as mesas guardadas por advogados dos direitos humanos ou por professores. Noutras alturas, voluntários ocupam-se das mesas onde são registados os nomes de desaparecidos pelas suas famílias, num livro. As listas são publicadas pela Liga Mexicana Em Defesa dos Direitos Humanos (LMEDDH).

De 29 de Outubro a 14 de Novembro, desapareceram trinta e uma pessoas. Das 104 pessoas detidas ilegalmente, 95 foram libertadas, 9 ainda estão em prisões estaduais. Os crimes de que são acusadas incluem obstrução da via pública, insurreição, associação criminosa, conspiração, roubo, rebelião e ameaças. Foram emitidos mandatos para vários professores e pessoas da APPO, que andam de noite de casa para casa para dormirem. A PFP [Polícia Federal Preventiva] entrou ilegalmente em casas para procurar e levar pessoas. Na Rádio Universidade, a agora famosa Doutora Berta, cuja voz é tida como a voz da sanidade, da calma e da razoabilidade no ar, não sai das instalações da universidade. Como outros, ela vive praticamente dentro dos seus muros protectores. A Rádio Universidade ainda emite, mas o seu sinal está a ser bloqueado pelo governo.

15 de Novembro foi o dia marcado para Ulises Ruiz Ortiz fazer a sua mensagem do “estado do Estado”, chamada “informe”. Supostamente iria ilustrar a governabilidade de Oaxaca, e como as coisas estão a ir bem. Devido ao nível de “governabilidade” existente, o governador entregou a sua declaração escrita ao seu Secretário de Governação para que ele o entregasse aos legisladores. Ao mesmo tempo, o governador pediu 123 mil milhões de pesos [perto de 8,7 mil milhões de euros] ao governo federal, para acabar com o movimento da assembleia popular em Oaxaca. Apesar de Ulisses Ruiz reclamar que o estado funciona normalmente, no entanto ele apela ao envio de mais tanques e armamento. O informe pede uma mão firme por parte de Felipe Calderón.

Desculpem lá, mas isto parece uma clara admissão de que o estado não está governável.

A APPO, no dia do informe, optou por demonstrar que Oaxaca é de facto ingovernável. Foram marcadas marchas a partir de três locais diferentes, para exigir a saída da PFP.

A marcha com perto de 10 000 professores de Valles Centrales e Sierra Norte, mais os apoiantes da APPO, teve de lidar com ataques da PFP a partir de “telhados amigos” ou de casas particulares, usando fisgas para disparar berlindes de vidro contra os manifestantes (esta táctica de provocação também foi usada a 2 de Novembro). A marcha, que tinha tido origem fora do centro, aproximava-se agora dum ponto a sul do zócalo [centro da cidade] onde um ou dois manifestantes, apesar dos apelos da APPO para não haver retaliação às provocações, provocaram a Polícia Federal Preventiva que guardava o zócalo. A PFP respondeu primeiramente a cânticos de “Oaxaca não é um quartel”, “PFP fora de Oaxaca” e outros slogans, com pedras e berlindes lançados com fisgas. Os manifestantes responderam com pedras e garrafas de água. Depois, a PFP lançou gás lacrimogéneo. O cruzamento onde ocorreram as confrontações fica perto de lojas e da escola primária Enrique C. Rebsámen, onde cerca de 400 estudantes estavam nas aulas. O gás espalhou-se para todos os lados, causando preocupação tanto aos lojistas como aos alunos. Os manifestantes passaram para outra rua.

Ao mesmo tempo, ocorreram outras duas manifestações na cidade de Oaxaca e uma outra em Istmo of Tehuantepec. Várias estradas estiveram bloqueadas.

Nesse mesmo dia, dois jovens fotógrafos foram raptados no zócalo. Foram levados num veículo com matrícula, anotada pela assistência. Uma mulher que andava às compras viu a PFP a agarrar nas câmaras, mandar os dois fotógrafos ao chão e pontapeá-los. Os homens, que tinham estado a tirar fotografias aos agentes da PFP, foram em primeiro lugar interpelados por um oficial que os mandou parar. Depois, a polícia levou a suas mochilas. A mulher que assistiu a tudo isto acercou-se dos polícias e disse-lhes que aqueles homens estavam nos seus direitos, que eram cidadãos oaxaquenhos, e que não estava certo o que a polícia estava a fazer. Um grupo de polícias rodeou a mulher numa tentativa de a intimidar. Depois rodearam os dois homens e empurraram-nos brutalmente para dentro de um carro da polícia e arrancaram.

A PFP tirou depois muitas fotografias a essa mulher e segui-a no caminho que ela fez em direcção à barricada de Cinco Señores para contar o rapto que tinha acontecido. A mulher foi posta em contacto telefónico com os observadores dos direitos humanos, com os quais falou longamente, descrevendo a situação, os homens raptados, o carro (com os números da matrícula) que os levou. Depois da chamada telefónica ela continuou a exprimir a sua raiva e desgosto relativamente à polícia, em termos que indicavam que a dona de causa na sua ida às compras se tinha radicalizado abruptamente.

Em dois dias, os advogados dos direitos humanos obtiveram a libertação destes dois fotógrafos, que claramente tinham sido presos sem base legal. Os fotógrafos estrangeiros são extremamente cautelosos, e relataram terem sido perseguidos. Esta “guerra suja” está a crescer em Oaxaca, com paramilitares, desinformação na imprensa, intimidação e repressão nas várias formas de discurso político.

Observadores estrangeiros parecem estar em todo o lado – não apenas amadores mas pessoas com renome (aqui são desconhecidos) incluindo um médico americano, um realizador, um foto-jornalista alemão, e equipas de repórteres. Hoje, uma equipa foi entrevistar um homem que foi preso e sujeito a 8 dias de provação onde foi torturado pela polícia; uma equipa foi debater os desaparecimentos e o caso de 24 corpos presentes no anfiteatro da Cruz Vermelha.

As únicas pessoas autorizadas a entrar na morgue para ver os corpos são os da LMEDH e da Rede Oaxaquenha de Direitos Humanos. São eles que compilam as listas de desaparecidos e os testemunhos relacionados. São eles que trabalham directamente com o Comité de Membros da Família e Amigos de Desaparecidos, Detidos e Prisioneiros Políticos. Para além disso, têm uma longa relação (embora difícil) com a Cruz Vermelha, que lhes permite o acesso à morgue. O Comité formado há apenas algumas semanas, tendo um papel importante, não é o único grupo que lida com a questão das pessoas desaparecidas. Muitas pessoas que apoiam o Comité (por exemplo, os assistentes das mesas dos direitos humanos em Santo Domingo) são voluntárias.

A História que Não Acontecer

Na manhã de domingo, 2 de Novembro, dois fotógrafos curiosos a que apelidarei de L e H, estiveram na mesa dos Direitos Humanos na zona de Santo Domingo, onde os apoiantes da APPO estão actualmente acampados. Aí eram exibidos vídeos mostrando vários ataques governamentais e a resposta da população, combatendo as armas de grande calibre da polícia com pedras, fisgas, paus e cocktails Molotov de fabrico caseiro. Nos últimos vinte dias, uma calamidade de direitos humanos atingiu o movimento. Sob a capa da “manutenção da paz”, a PFP e/ou operacionais do PRI, do governador Ulises Ruiz, mataram, raptaram e fizeram desaparecer cento e trinta pessoas. Houve duas grandes batalhas. Uma foi a 29 de Outubro, a tentativa de retirar a as barricadas da APPO em frente aos edifícios governamentais. Vinte e dois foram presos, com dezasseis outros nos dois dias seguintes. Dúzias de pessoas foram feridas. A tentativa falhada da PFP de invadir a estação de rádio da Universidade Autónoma Benito Juarez de Oaxaca (UABJO) numa batalha de sete horas, teve lugar a 2 de Novembro. Nesta altura foram metidas pessoas em helicópteros e presumivelmente levadas para prisões. Perto de uma dúzia simplesmente desapareceram.

Entrevistas posteriores com prisioneiros libertados indicam que as pessoas eram colocadas à porta do helicóptero e ameaçadas de serem atiradas borda fora. Na prisão eram torturados, quer física quer psicologicamente.

Quando L e H se aproximaram de um trabalhador dos direitos humanos, C, para obter informação, foi-lhes dito que tinham sido descobertos corpos – num pequeno anfiteatro nos terrenos da Cruz Vermelha. Um relato dizia que os cadáveres estavam na morgue do hospital público há um número desconhecido de dias. Depois, o hospital resolveu que não os podia guardar durante mais tempo, e mudou-os para o edifício da Cruz Vermelha, localizado na Rua Bustamante, no centro da cidade de Oaxaca.

L e H pegaram nas suas máquinas e dirigiram-se para lá.

Quando chegaram ao edifício da Cruz Vermelha descobriram uma janela – alta demais para espreitar, mas H conseguiu colocar a sua câmara acima da sua cabeça e espreitou pelo visor. E que visão. Ali estavam os corpos, empilhados uns em cima dos outros em prateleiras. Os corpos estavam todos nus. Não foi possível contar precisamente quantos eram a partir do ponto em que espreitavam, mas aparentemente pelo menos um era de mulher, e havia perto de vinte e quatro no total.

Enquanto L e H captavam imagens, apareceu uma pessoa saída do edifício e pediu-lhes que saíssem imediatamente, o que fizeram, levando consigo provas preciosas. As fotos foram transferidas para um disco duro e gravados vários CDs, para segurança.

Nesse mesmo dia, já de noite, duas mulheres foram a Santo Domingo para informar os observadores dos direitos humanos da existência dos vídeos. Foi necessário agir rapidamente, porque não havia maneira de saber quanto tempo é que a Cruz Vermelha iria manter os corpos com o clima de Oaxaca. Mais importante, fotografias das caras dos falecidos, impressões digitais, e provas da forma como morreram, eram essenciais serem recolhidas, tanto para as famílias que pudessem reclamar os corpos, como para as provas da morte.

Quando as duas mulheres falaram com os funcionários dos direitos humanos foram encaminhadas para um advogado dos direitos humanos, que mostrou o seu espanto pela importância da prova filmada. A esposa do advogado, que também é professora, simplesmente sentou-se, com lágrimas nos olhos. Ela sabia que as famílias dos desaparecidos têm estado angustiadas nas últimas duas semanas, sem saber se os seus membros familiares desaparecidos estariam mortos ou presos.

Dois advogados dos direitos humanos, com uma carta na mão, dirigiram-se às instalações da Cruz Vermelha, na segunda-feira de tarde, acompanhados de uma equipa de sete pessoas. Eles exigiram entrar para observar os corpos, e disseram-lhes que podiam mas que a pessoa responsável pela permissão não estava presente. Eles esperaram quase quatro horas. Eventualmente as regras mudaram, e foi-lhes dito que apenas quatro pessoas podiam entrar. Os quatro seleccionados foram um médico dos EUA, um fotógrafo da Alemanha, um médico oaxaquenho a quem foi permitida a entrada como “ajudante”, sem se assumir a sua capacidade de médico, e um enfermeiro que também entrou como um “ajudante” anónimo.

Antes de entrarem no edifício foram feitas chamadas telefónicas para alertar amigos e parentes sobre o local onde estavam, e a pedir que viessem mais pessoas da APPO para as instalações da Cruz Vermelha, para os proteger quando saíssem. Para além disso, já tinham sido feitas várias cópias do CD onde se viam os corpos, e estavam em boas mãos. Por esta altura já era noite escura, e surpreendentemente para Oaxaca na época seca, chovia bem.

Tinha sido decidido que a primeira prioridade era identificar os corpos para ver se estavam entre os desaparecidos. Isso implicava tirar uma fotografia à cara, impressões digitais, fotos dos dentes, e registo de marcas identificativas tais como cicatrizes. Nesta altura a equipa já estava cansada.

Finalmente o director da Cruz Vermelha chegou para abrir as instalações, e com ele um outro trabalhador que deixou entrar todos os sete da equipa, depois da sua espera de quatro horas, enquanto o director estava noutro lugar.

Esta equipa, durante uma hora e meia de investigação, documentou tudo o que podia sobre os mortos. Mas eles concluíram que os corpos já tinham muito tempo para serem dos desaparecidos – provavelmente mortos desde Setembro, e sem sinais de violência. Independentemente disso, tiraram-se fotografias e completaram-se os procedimentos forenses.

Os Prisioneiros Políticos e os Desaparecidos

Esta investigação espontânea dos Direitos Humanos não trouxe nenhuns resultados para as famílias ansiosas dos desaparecidos. “No entanto, quem tiver um mínimo de consciência da história,” escreve o Comité dos Direitos Humanos, “não consegue ouvir o barulho de aviões espiões a qualquer hora do dia, ou passar no centro histórico desta cidade, ou nas instalações do Canal 9 ou o “Parque del Amor”, onde a polícia federal está estacionada, sem pensar em Mussolini, Hitler e Franco, e sentir a indignação que é provocada pela intenção de manter Ulises Ruiz no poder…usando para isso, todo o peso do aparelho de estado… Graças à resistência popular, 131 compañeros foram libertados depois de terem sido arbitrariamente detidos durante a ocupação da PFP. Apesar disso, até 11 de Novembro ainda estavam presos os seguintes:

  • Humberto Jiménez Ríos
  • Jaime Guerrero
  • Gerardo Martínez
  • Héctor Guzmán Acosta
  • Joaquín Benjamín López Castillo
  • Marcos García Martínez
  • Miguel Angel García
  • Valentín Pérez Hernández
  • Víctor Hugo Martínez Toledo

Também ainda desaparecidos:

  • Alejandro Merino García
  • Ángel Santos Callejas Rodríguez
  • Ángel Soto Gallegos
  • Armando o Arnaldo Rojas Galán
  • Camilo Domínguez de los Santos
  • Erick López Ortiz
  • Felipe Pérez Tomás
  • Félix Ricardo Méndez Venegas
  • Fernando Ruiz Santos
  • Isaías Pérez Mireles
  • Jesús Martínez Hernández
  • Máximo Reyes Pérez
  • Pedro “N”
  • Teodoro Tiño Verado
  • Ubaldo García Guzmán
  • Yeni Jarquín Aguilar
  • Diego Magdiel Rodríguez Hernández

12 outros foram levados da barricada no bairro de Felipe Carrillo Puerto na Avenida Ferrocarril.

Com a indignação de quem vê os seus céus, parques e praças convertidas em visíveis sinais de repressão, assinamos (membros do comité).”

Aqueles esforçados, que conseguiram apenas vinte e quatro corpos por identificar, continuam a localizar as famílias daqueles mortos. O Comité dos Direitos Humanos também continua a tentar localizar os desaparecidos. O governador continua no poder.

 

 

Texto da autoria de Nancy Davies, publicado a 17 de Novembro de 2006 em http://narconews.com/Issue43/article2353.html . Traduzido por Alexandre Leite
publicado por Alexandre Leite às 12:54

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 13 de Novembro de 2006

Somos os Caracóis no Declive

50 mortos na operação que ainda decorre; míssil atinge escola infantil

A ofensiva continuada das FOI [Forças de Ocupação Israelitas] no norte de Gaza, já deixou 45 (50 em toda a Faixa de Gaza) palestinianos mortos, no seu sexto dia de operação. Dos mortos, nove eram crianças, duas mulheres e um idoso. Perto de 190 ficaram feridos, incluindo 46 crianças e 45 mulheres. Um ataque aéreo das FOI atingiu as cercanias de uma escola e de um autocarro de um infantário. Para além disso, as FOI destruíram 64 casas, 11 das quais completamente, tomou outras 34 e demoliu cinco instituições públicas, duas lojas e cinco veículos. A situação humanitária em Beit Hanoun deteriorou-se devido à falta de bens alimentares, electricidade, água e medicação, bem como pelo estado danificado das infraestruturais da localidade. Às 7:05 da manhã de hoje, segunda-feira 6 de Novembro de 2006, as FOI dispararam um míssil que atingiu um grupo de crianças perto de uma escola em Beit Lahia, perto de Beit Hanoun.” — “Al Mezan”, 6 de Novembro de 2006

Forças israelitas matam pessoal médico voluntário e bloqueiam acesso a hospitais em Gaza

A deteriorada situação humanitária na Faixa de Gaza, particularmente no Norte de Gaza, resultante da continuada operação militar israelita que já vai no quinto dia, exige uma intervenção imediata por parte da comunidade internacional, de forma a assegurar a protecção da população civil e a colocar um fim às agressões de Israel a civis e equipas médicas. As forças de ocupação israelitas atacaram deliberadamente civis desarmados bem como ambulâncias do Crescente Vermelho Palestiniano e equipas médicas. A 3 de Novembro de 2006, as forças israelitas atingiram e mataram dois membros de equipas médicas do Crescente Vermelho, quando estes tentavam evacuar uma vítima, morta por disparos israelitas na zona de Beit Lahia. Ao mesmo tempo, o Hospital de Beit Hanoun continua cercado por tanques israelitas e veículos blindados, que não permitem que as equipas médicas e as vítimas possam aceder ao hospital.” – “Sociedade Palestiniana do Crescente Vermelho”, 5 de Novembro de 2006

 

Apenas duas histórias das muitas que passam por mim todos os dias, mas onde é que está a indignação dos media Ocidentais? Claramente, os árabes são “unter mensh” juntamente com o resto dos habitantes do mundo que nos rodeia, no que concerne ao Ocidente.

 

Bem, eu poderia continuar numa interminável série de invocações do tipo de pesadelos infligidos nas pessoas do Médio Oriente, alegadamente sob o manto da “guerra ao terrorismo”. A realidade, é claro, é que somos nós, no Ocidente, que estamos a fazer uma guerra de terror em cima deles.

 

Eu sei que já disse antes que há uns anos atrás li uma novela soviética ficcionada chamada “Snail on the Slope” [Caracol no Declive], dos irmãos Arkady e Boris Strugatsky. A história é sobre um planeta que é colonizado por um país não muito diferente da antiga União Soviética.

 

O planeta consistia numa enorme floresta sentimental que se opunha fortemente a ser cortada pelos colonizadores, na sua tentativa de a “terraplanar”, e ela naturalmente deu luta. De qualquer forma, os colonizadores deram consigo a defender enclaves solidamente fortificados, brutalmente expulsos da floresta.

 

Um homem tentou persuadir os responsáveis de que estavam a travar uma luta que iriam perder, a não ser que destruíssem a floresta, o que significava efectivamente destruir o planeta. Obviamente que os líderes decidiram exilar o objector e continuaram a sua política de subjugação. E claro que a ideia de que a floresta pudesse estar viva e pensar como um organismo único, estava simplesmente para além da compreensão das “autoridades”.

 

Percebi a alegoria na altura mas parece-me que hoje em dia, “Snail on the Slope” ainda se aplica mais aos habitantes do chamado mundo desenvolvido, desesperadamente agarrados àquilo a que nos convenceram que eram os nossos direitos; os nossos enclaves de consumo e passar por cima do que resta à nossa volta, independentemente das consequências.

 

Entretanto, a conhecida (nem tanto) história de horrores infligidos no povo do Líbano pelo estado de Israel, não tem praticamente nenhuma cobertura mediática. Mas uma história da BBC World Service, transmitida na madrugada de 7 de Novembro de 2006 dá-nos uma dica sobre a mentalidade do estado sionista. De forma pouco surpreendente, esta é uma história que a BBC não irá transmitir nas notícias da televisão ou rádio regulares, com medo de ofender os seus donos.

 

Um reservista anónimo das Forças de “Defesa” de Israel (FDI) que não se conseguiu calar mais, revelou que ao fim de cinco dias de massacre, os lançadores de rockets sob o seu comando, dispararam 1800 bombas de fragmentação no sul do Líbano. Cada bomba de fragmentação contém 664 “bombinhas” e cerca de 40% delas não detonaram, totalizando 1,2 milhões destes diabólicos mecanismos. Assim, os campos e vilas do sul do Líbano estão conspurcados com cerca de meio milhão destas armas assassinas fornecidas pelos EUA, e estão a matar uma média de 4 pessoas por dia, que circulam pelos seus campos e vilas.

 

Alegadamente apontadas a unidades do Hezbollah, elas transformaram milhares de hectares de território libanês em áreas onde não se pode ir, que era a óbvia intenção. Como explicou o soldado das FDI, os rockets Katushya do Hezbollah são lançados ao ombro (não é mais do que um tubo de metal) e por isso, segundos depois de ter disparado, o soldado do Hezbollah muda de sítio, e assim só por mero acaso é que as bombas de fragmentação de Israel atingiriam o alegado alvo. E temos de presumir que estes terão sido apenas uma fracção do total disparado no Líbano.

 

Mas vejamos, em plena luz do dia, Israel lançou um ataque assassino sobre as pessoas do Líbano usando armas com a mais horrenda destruição. Um ataque apontado não ao Hezbollah mas à generalidade da população e às infraestruturas cruciais necessárias no dia a dia. No entanto, nós no chamado mundo desenvolvido, deixámo-nos estar e não fizemos nada.

 

Para além dos “suspeitos do costume”, não houve nenhum grito de revolta de cidadãos desta nossa nação “civilizada”. Deixámo-nos ficar e vimos o “nosso” governo condenar o crime de Israel contra a Humanidade não fazendo nada, excepto balbuciar piedosos lamentos. Já há no entanto, um precedente histórico, quando a força aérea de Hitler destruiu Guernica durante a Guerra Civil Espanhola, e a Grã-Bretanha e resto do Ocidente declararam neutralidade e deixaram-se estar não fazendo nada excepto balbuciar as mesmas frases vazias.

 

Mas será suficiente dizer que a razão por que fazemos pouco ou nada acerca das actividades das nossas elites políticas assassinas, é por não estarmos informados ou estarmos a ser mal informados, ou há aqui algo de mais fundamental a ter em conta nesta questão?

 

Seremos equivalentes ao Caracol no Declive, tentando agarrarmo-nos àquilo que julgamos serem as nossas vantagens, mesmo destruindo a própria base delas, tal como os colonizadores destruíram a floresta que sustentava a vida? Não podemos dizer que não sabemos nem vemos o que se está a passar. Não temos desculpa para a nossa inacção excepto talvez o simples facto de não considerarmos, como nação, as vidas de outros como verdadeiramente humanas, tão corrosiva e penetrante é a ideologia racista do sistema imperialista.

 

Mas ao mesmo tempo também parece que muitos milhões de nós estão profundamente infelizes e insatisfeitos com a vida mesmo que consigamos consumir montanhas de porcaria que nem precisamos nem podemos realmente pagar. Mas estes restos de plástico isolam-nos da realidade das nossas acções, adiando o inevitável. Pior, deixam a factura para as gerações futuras pagarem (presumindo, claro, que vai cá estar alguém para pagar).

 

Então o que é que temos aqui? Em primeiro lugar, revela o absoluto e completo falhanço do chamado sistema democrático, quando vemos o comportamento infame dos “nossos” deputados Trabalhistas de apoio às políticas genocidas do governo de Blair, que se importaram mais com o seu engrandecimento pessoal do que com princípios, quando só doze dos trinta e oito deputados Trabalhistas que tinham anteriormente assinado petições exigindo um inquérito sobre a invasão do Iraque, votaram realmente a favor do inquérito. O resto apoiou Tony Blair.

 

E a cada dia que passa, mais relatos aparecem, detalhando a destruição existente e a prevista daquilo que era o nosso belo planeta azul/verde. Quanto tempo ainda temos, não é claro, até pode já ser tarde. No entanto uma coisa é óbvia para mim, é altura de escolher de que lado estamos. Já não temos outra escolha, e que irónico isto é, dado que nos têm convencido que a grande vantagem do capitalismo é a ilimitada “escolha”, mas a que custo?

 

Por muito que me custe dizer isto, parece cada vez mais que a mudança apenas acontecerá quando o sistema como um todo colapsar, quando já não puder suportar o nosso extravagante modo de vida.

 

Não seria tão mau se o colapso se confinasse ao mundo desenvolvido, mas claro que isso não acontecerá. As economias dos países em desenvolvimento foram tão pervertidas pelas nossas necessidades que também elas pagarão os custos do nosso comportamento egoísta.

 

Então porque é que os elementos progressistas do nosso mundo não responderam à crise com que nos confrontamos?

 

Será porque o seu próprio mundo de privilégio é igualmente ameaçado, e se assim é, o que é que isso nos diz sobre o caminho que temos seguido nestas décadas?

 

Vale a pena considerar, por exemplo, que um país como Cuba, que é considerado como pobre, e consegue apesar de tudo produzir médicos e professores suficientes para suprir as suas necessidades e ainda tem a capacidade de os enviar a vários países, em todo o mundo. Também transformou completamente a sua agricultura para ser totalmente orgânica e livre de pesticidas. A sua riqueza está obviamente noutra coisa que não os bens materiais. Sim, tem problemas (muitos causados pelo embargo dos EUA), mas não estamos a falar sobre a utopia.

 

É obvio que é altura dos socialistas reordenarem completamente as suas prioridades. Não chega falar sobre o socialismo mas sim ter em consideração de que tipo de socialismo é que estamos a falar, e isto antes que seja tarde demais para ainda termos o luxo de podermos escolher.

 

Se, como parece provável, é necessária uma completa reordenação de prioridades, e isto é algo inevitável, e também é obvio que o capitalismo não apenas se recusa mas é ainda por cima incapaz de tomar as medidas necessárias, então tem de ser claro que qualquer programa socialista tem de conter a seu tempo, a completa reestruturação das nossas infraestruturais industriais, agrícolas e de transporte.

 

Para além disso, eu acredito que as sementes para tal mudança já estão presentes, apesar de actualmente limitadas a secções mais abastadas e com maiores habilitações da sociedade.

 

Desabituar a nossa actual geração do seu vício dos automóveis e produtos de consumo, não é uma tarefa fácil, mas podem ter a certeza que eles não terão outra escolha.

 

Um papel importante na transformação pode ser tido por aqueles que dedicaram as suas vidas ao estudo dos efeitos do capitalismo no planeta, bem como por aqueles que estão lentamente a acordar para a realidade destrutiva do capitalismo na nossa saúde física e mental. Os grandes meios de comunicação falam sobre estas consequências mas evitam a causa óbvia, de facto eles fazem tudo para evitar a clara ligação ao capitalismo. [1]

 

Não é possível escapar ao facto de que o nosso actual “estilo de vida” é insustentável. Ou agimos agora ou deixamos que o caos o faça por nós, ou seremos os proverbiais caracóis num declive?

 

 

Nota

1. Ver especialmente:
Climate Change– “Welcome to Mars (or North Korea)!” The Great Media Silence on Causes and Solutions’, 31 de Janeiro, 2006.

Cheerleading the Climate Criminals – Part 1’, 1 de Setembro, 2005.

Cheerleading the Climate Criminals – Part 2’, 2 de Setembro, 2005.

SILENCE IS GREEN The Green Movement And The Corporate Mass Media’, 3 de Fevereiro, 2005

 

 

Texto de William Bowles publicado a 9 de Novembro de 2006 em http://williambowles.info/ini/2006/1106/ini-0461.html. Traduzido por Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 20:17

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 9 de Novembro de 2006

A guerra da comunicação em Oaxaca

O Governador Ulises Ruiz Ortiz Perdeu a Guerra dos Media

(Relato a partir de Oaxaca)

O governador de Oaxaca, Ulises Ruiz Ortiz (URO) e os seus amigalhaços do PRI estão a trabalhar para evitar que a informação correcta chegue ao público. E a “Narco News” está a fazer o melhor que pode para que toda a informação seja conhecida pelos seus leitores em todo o mundo. Já não estamos no tempo em que URO podia dizer “No pasa nada”, não se passa nada. Agora ele diz, “há apenas uma pequena área bloqueada”. Diz também, “este é um grupo minoritário”, ignorando os relatos diários de confrontos e bloqueios em todas as regiões do estado.

 

De facto, a emissora controlada pelas forças do PRI oposicionistas ao movimento da assembleia popular (ironicamente, é uma estação pirata, sem licença), mencionou o nome “Narco News”. O formato de programa com chamadas telefónicas, uma imitação do formato da Rádio Universidade apoiante do movimento, encoraja as pessoas – “cidadãos” – a ligarem com as suas denúncias e comentários. Um desses programas foi dominado por uma pessoa que se queixava da “Narco News” estar a… relatar as notícias. Os mesmos cidadãos ligam diariamente com queixas sobre como a Assembleia Popular do Povo de Oaxaca (APPO) está a bloquear o trânsito e a incomodá-los de diversas formas, incluindo o cancelamento de meses de escola e impedindo a recolha de lixo.

 

A batalha a decorrer na televisão e na rádio incluiu a tomada de estações de rádio pelo movimento da assembleia popular, a criação de barricadas, a perda de estações de estudantes e de professores, várias recapturas, a tomada e subsequente perda da única estação televisiva de Oaxaca, o Canal 9, por um grupo de mulheres “cacerolas” da APPO – uma saga nos meios de comunicação que ainda continua actualmente.

 

         Neste momento uma rádio apoia a APPO, a Rádio Universidade, continua no ar – ou antes, voltou a estar no ar, depois de ter sido atacada a 22 de Julho por bandidos contratados pelo governador. De volta ao ar, no entanto, enfrentou duas tentativas de silenciamento. Uma delas foi um ataque directo, pela Polícia Federal Preventiva a 4 de Novembro, acontecimento agora conhecido como a Batalha de Oaxaca, quando a população apareceu a defender a universidade autónoma, numa luta de sete horas contra gás lacrimogéneo, água química e polícia armada. A população, com as suas armas de pedra e bravura física, repeliu-os.

 

O silenciamento da rádio não foi conseguido pela força: nem a invasão das instalações da universidade nem os disparos contra a antena em Fortin Hill. Isso funcionou uma vez para calar a estação, mas de alguma maneira os estudantes conseguiram reconstruí-la. Outro ataque aconteceu a 4 de Novembro. Este recente ataque conseguiu algum dano, actualmente a ser reparado por técnicos, como foi feito anteriormente. No entanto, o alcance da transmissão foi prejudicado; já não chega a toda a cidade.

 

Quando a invasão da universidade falhou, os apoiantes do PRI lançaram mais uma campanha de interferência estática no degradado sinal da rádio. Esse tipo de ruído foi anteriormente usado contra as outras estações de rádio, quando estavam nas mãos da APPO. Agora está a ser usado contra a Rádio Universidade. O movimento depende da rádio para pedidos de ajuda (como aconteceu quando a universidade estava a ser atacada), para chamamentos às barricadas, para anunciar manifestações, encontros e marchas – resumindo, para as comunicações necessárias para continuar a luta. Mais uma vez, na segunda-feira, soou o alarme.

 

O apoio, no entanto, é que a “Noticias La Voz de Oaxaca” também emite notícias numa estação de rádio comercial apoiante, todas as tardes.

 

URO, há cinco meses, perdeu de vez a guerra dos jornais iniciada pelo seu antecessor, José Murat, que tentou rudemente esmagar o “Noticias” num conflito que originalmente tinha mais a ver com hostilidades privadas entre homens endinheirados do que com interesses políticos. Murat desferiu uma série de ataques, tais como uma falsa greve de trabalhadores que nem trabalhavam no “Noticias” e um assalto ao armazém do jornal. Depois URO, que sucedeu a Murat, tomou conta com disparos contra o novo escritório do jornal – o antigo ainda está ocupado pelos “grevistas”, uma situação que já se arrasta há um par de anos sem nenhuma resolução legal, porque não é do interesse de URO permitir uma solução. Também se diz que ele tentou um segundo ataque ao armazém do jornal.

 

         Tornar um editor de jornal, num inimigo, não é a coisa mais inteligente a fazer, e claro, o “Noticias”, que não era especialmente inclinado a apoiar movimentos sociais, está agora um grande amigo da Assembleia Popular do Povo de Oaxaca. Relata constantemente informações correctas – o que é uma desvantagem para URO.

 

         Para além disso, o “Noticias” está a vender jornais, pois milhares de professores pretendem ler o que se diz sobre eles e ver as fotos das suas acções. URO fez um grande favor financeiro ao seu inimigo noticioso.

 

         Logo a seguir ao acampamento de professores de 14 de Junho, nascia um novo jornal: Toucan, que se baseia em foto-jornalismo, com impressionantes fotografias do ataque, do contra-ataque, das dúzias de marchas e dos vários assassinatos, incluindo o de Bradley Will. Cada foto é uma homenagem ao movimento da assembleia popular.

 

         Melhor ainda, o “La Jornada”, prestigiado jornal populista da Cidade do México, cobre constantemente, recorrendo a boletins electrónicos que são publicados na sua página da internet durante a noite. As notícias, não totalmente imparciais, são factualmente correctas, ao contrário das dos grandes jornais quer do México quer dos Estados Unidos, que apresentam relatos enganosos e falsos, tais como os feitos pela Associated Press.

 

         Para além disso, brigadas de fotografia e vídeo, de jornalistas estrangeiros e nacionais, chegaram em força. Tudo é mostrado, deixando o PRI e o URO sem lugar onde se esconderem. As pessoas locais do movimento também andam com câmaras e quando há ameaça de um ataque, a Rádio Universidade lança um apelo para que as pessoas acorram com câmaras, para documentar o que se está a passar – como fizeram no ataque de 14 de Junho, no zócalo [centro da cidade]. Cada sobrevoo de helicóptero aparece nas fotografias. A capacidade de URO para mentir sobre quem tinha as armas e quem disparou contra quem, foi destruída. Cada vídeo e cada fotografia, para além disso, aparecem na internet, nas notícias internacionais, nas notícias nacionais, nas notícias locais, até às ruas, onde esses vídeos são passados em ecrãs postos em cima de caixas, nos passeios, para que os transeuntes os possam ver.

 

         Na segunda-feira, o dia a seguir à Sexta Megamarcha, os vídeos estavam a ser mostrados na “Andador Turística”, outrora uma zona comercial com lojas caras, que vai desde a igreja de Santo Domingo até ao zócalo. Os vídeos do movimento são actualizados a cada marcha e a cada batalha, mas o favorito continua a ser o do ataque governamental de 14 de Junho.

 

         A zona para peões, agora ocupada por cerca de três milhares de professores e apoiantes, exibe arte de rua, pinturas de parede, graffiti, e mesmo as tradicionais carpetes de areia do Dia dos Mortos. Cartazes e slogans adornam a fachada de cada loja, e na praça de Santo Domingo está um grupo de fantasmas, em honra dos elementos assassinados do movimento, com uma pistola a jorrar sangue (fitas vermelhas), e o nome de URO. URO é normalmente apelidado de assassino.

 

Se gostar de música, também há: centenas de CDs de produção caseira com a música do movimento e das lutas populares dos últimos anos, incluindo tudo, desde a greve dos professores até às greves dos trabalhadores do Peru. As velhas canções incluem “Casas de Carton”, “De Donde Son?” sobre as barricadas, e “Venceremos”. As novas canções narram sob a forma de baladas, o ataque aos professores no zócalo, e “Estamos hartos” [Estamos fartos] deste governador. Os músicos de Oaxaca continuam a escrevê-las e a cantá-las. Uma aparentemente infinita onda de criatividade e organização mostra o movimento no seu melhor, e enegrece o URO, uma homem desprezado que não pode governar.

 

         URO perdeu a guerra dos media, e as sondagens revelam que até os seus apoiantes do PRI querem que ele saia.

 

 

Texto de Nancy Davies publicado em http://narconews.com/Issue43/article2312.html a 7 de Novembro de 2006, e traduzido por Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 23:57

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Todos os textos aqui publicados são traduções para Português de originais noutras línguas. Deve ser consultado o texto original para confirmar a correcta tradução. Todos os artigos incluem a indicação da localização do texto original.

Ouça música enquanto lê isto!!! Rádio Blog da 'Informação Alternativa'

Ligações

eXTReMe Tracker