Textos deste blog podem ser reproduzidos, desde que numa base não comercial ou educacional, tendo que ser informado, o autor, sobre qual o sítio onde essa publicação será feita e que os extractos sejam citados com a indicação do seu autor, e sem alteração do texto.

 

 A sua reprodução deve incluir o nome do autor e a fonte do artigo.

Procurar neste Blog


Motor de Busca com tecnologia FreeFind

artigos recentes

Está naquela altura outra...

Forçando os factos a enca...

Os mortos não contam hist...

arquivos

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags


Estou no Blog.com.pt

subscrever feeds

blogs SAPO

Mapa de Visitantes (Neste Mês)

Localização de quem visita esta página
Quinta-feira, 17 de Agosto de 2006

Está naquela altura outra vez – de mais um ‘plano terrorista’

“Por vezes teremos de alterar algumas das nossas liberdades, a curto prazo, para poder prevenir o seu uso errado por aqueles que se opõem aos nossos valores fundamentais e destruiriam todas as nossas liberdades do mundo moderno.” – Ministro do Interior, John Reid

É realmente espantoso que ninguém veja o paradoxo de Reid a pedir a abolição do que resta dos nossos direitos civis, para os preservar, mas também não há nenhuma lógica na “guerra ao terrorismo”, é ela própria um contradição.

Quanto à noção de Reid dos “valores fundamentais”, presumimos que eles incluem a indiscriminada destruição de sociedade e da sua população e ficar a ver enquanto os seus aliados fazem o mesmo. Não apenas ficar a ver mas exortá-los a isso, pelo amor de Deus!

E também espantoso é o pedido de Reid para destruir os nossos direitos, ao mesmo tempo que acusa aqueles que, alega ele, os destruiriam.

Será mesmo demasiado impossível, admitir que pessoas que conseguem falar com tanta hipocrisia e que têm as mãos banhadas em sangue de dezenas de milhares de inocentes, pensariam duas vezes em engendrar um plano, se pensassem que isso favorecia os seus objectivos?

Sim, eu sei, eu não tenho provas para me apoiar, para além dos recentes registos históricos (e não tão recentes) e os lapsos e contradições da máquina de propaganda do estado, à medida que nos prepara para o Der Tag[N.T.1].

O problema para nós é que a palavra conspiração tem sido tão maltratada que agora apenas se usa para tolos e maluquinhos, mas o facto é que, o próprio estado é uma conspiração de uma classe sobre a outra. Com tanta coisa em jogo, não há nada, literalmente, que eles não façam para se manterem agarrados ao poder, incluindo a fabricação de provas de forma a iniciar guerras ilegais. Não me digam que a invasão e destruição do Iraque não foi o resultado de uma conspiração internacional!

Foram fabricadas provas em grande escala, foram ditas mentiras a todo e qualquer um e as mentiras foram divulgadas por uns media corporativos e estatais cúmplices. Não é preciso haver um grupo de pessoas, algures num quarto escuro, a planear esquemas. Temos a política governamental e tem lugar nos mais altos níveis do governo. É este o papel da classe política, preservar o domínio do capital, a qualquer custo.

E sim, eu sei que é difícil aceitar o facto de que o estado vá tão longe para “ajustar” as pessoas, mas os registos mostram que isso aconteceu vezes sem conta e tenham em atenção que o estado tem efectivamente recursos ilimitados e exércitos de servos leais, pagos e treinados para obedecer a ordens. Esta é a nossa realidade, quer as pessoas estejam preparadas para a aceitar, quer não.

Aparentemente, a “guerra ao terrorismo” pode durar meio século, dizem-nos, mas independentemente de quanto tempo durar esta desonesta guerra, implicará viver sob a bota do estado. Pode não usar botas militares, mas será cada vez mais impiedoso na anulação de qualquer protesto. Com o avançar do tempo, o espaço para divergências irá diminuir, diminuir e diminuir, até não sobrar nenhum.

Li algures que há uma relação estatística directa entre “alertas de terrorismo” e acontecimentos injuriosos para o estado. Deste modo, é seguro aceitar que o estado está envolvido até ao seu pescoço sujo, nesta última tentativa de assustar toda a gente.

Tentem-se recordar de anteriores “alertas de terrorismo” que deram em nada, nem mesmo uma tentativa ou uma intenção de fazer explodir alguma coisa ou alguém.

O pior que as autoridades conseguiram inventar foram “crimes de pensamento”, isto é, uns rapazes reuniram-se a dizer umas asneiras, pelo menos de acordo com as autoridades. Mas pensem nisto, temos governos que nos mentem sobre tudo o que fazem, incluindo a razão de destruírem países inteiros e exterminar incontáveis centenas de pessoas, quer directa quer indirectamente, como Israel no Líbano, por isso, porque é que é tão inacreditável que essas mesmas pessoas criem ameaças fictícias?

O momento do ultimo alerta é absolutamente crucial, aconteceu precisamente quando os estados Ocidentais estavam sobre crescente pressão para forçar Israel a parar a sua criminosa guerra, de exterminação e a situação no Iraque vai de mal a ao desastre completo, para os ocupantes.

Os planos que nunca chegaram a ser

Houve um plano com o veneno “rícino”, só que não havia rícino nenhum. Esqueçam o plano, mas foi esta a história espalhada pelos grandes meios de comunicação. Vejam as seguintes notícias sobre a verdadeira história do “plano do rícino”

‘O Caso de Kamel Bourgass – O som de uma mão a bater palmas ou uma conspiração’, www.williambowles.info/ini/ini-0327.html e,

‘Rícino: O plano que nunca chegou a ser, por Severin Carrell e Raymond Whitacker’, www.williambowles.info/spysrus/ricin_plot.html e,

‘Falso Terror – Anel de Rícino que nunca existiu’ por Duncan Campbell’, www.williambowles.info/spysrus/ricin_plot2.html

Depois, houve um “ataque com gás” no metro de Londres, outra história que não deu em nada.

Houve ainda um anúncio do exército, em Heathrow, de um informação sobre “terroristas” que estavam prestes a derrubar um avião com um míssil terra-ar. Como com todos os outros “alertas terroristas”, era só conversa.

A resposta do estado foi e é, “bem, nós conseguimos prevenir o ataque”, mas peçam-lhes provas e vão ter a resposta do costume, “desculpe, não podemos mostrar, é segredo de estado”.

Parece haver uma correlação directa entre a escala dos desastres do Império e a natureza do “alerta terrorista”, com cada desastre acompanhado por um alerta ainda maior.

Até agora, foram detidas 24 pessoas (e uma libertada, sem acusação) e 19 acusadas, com base em diversas legislações “anti-terrorismo”.

Como de costume, há alguns aspectos perturbantes desta última histeria, que contradizem as medidas draconianas que o governo tomou.

Em primeiro lugar, de acordo com o governo, este foi o plano mais perigoso desde o 11 de Setembro, com10 voos transatlânticos, alegadamente destinados a ser destruídos, e Blair informou Bush neste fim-de-semana que passou, no entanto o “alerta crítico” só foi anunciado DEPOIS das detenções e não impediu Blair de voar no SEU voo transatlântico para as Caraíbas, de férias.

E, de acordo com as autoridades Paquistanesas a 12/8/2006, um Britânico que foi detido nesta semana, “pôs a boca no trombone” sobre o alegado plano, precipitando o alerta. No entanto, a polícia britânica afirma ter o “grupo” sob vigilância há alguns meses.

Outro relato fala sobre um agente que estava infiltrado no grupo. Qual era o papel dessa pessoa? Era um agente provocador?

E se era uma tão grande ameaça à vida e à integridade física, porque é que as autoridades esperaram cinco dias até fazerem detenções?

Tal como nos anteriores “alertas terroristas”, todo o tipo de histórias são passados à imprensa, a conta gotas, especialmente pensados para semear a confusão e o medo. Tentar perceber os acontecimentos é difícil, mesmo com os famosos poderes (embora ficcionais) do Sherlock Holmes, mas é esse o objectivo dessa desinformação.

Se aparecerem falhas na história, como já apareceram, sem um explicação definitiva, é fácil para o estado, negar que tem alguma coisa a ver com a pletora de migalhas libertadas para a imprensa.

Na semana passada, o Min. do Interior, Reid, fez um discurso em Londres, no qual anunciou que enfrentamos “provavelmente o maior período continuado de ameaça severa, desde o fim da segunda guerra mundial” e acusou os oponentes da legislação anti-democrática governamental de estarem a minar a “guerra ao terrorismo”. O momento é conveniente, sem dúvida, levando alguns a suspeitar que Reid sabia muito bem dos acontecimentos que se passaram nesta semana.

E como de costume, as informações governamentais sobre os alegados terroristas, são tão vagas e dúbias que qualquer um que queira tentar perceber exactamente o que é que eles queriam fazer, não consegue.

Devo explicar que fazer explodir pessoas no metro e em aviões, não é a minha ideia de como fazer mudar as coisas, no máximo é um engano e no mínimo é patológica e aberta a manipulações, como temos visto vezes sem conta, por agentes do estado.

É interessante verificar que as últimas investigações revelam que a grande maioria dos “bombistas suicidas” não o fazem por razões de ordem religiosa. Pelo menos metade deles identifica-se como “de esquerda” (o que quer que isso significa hoje em dia).

“O facto principal é que, esmagadoramente, os ataques terroristas suicidas não são motivados pela religião mas mais por um objectivo estratégico claro: forçar as modernas democracias e retirarem forças militares de territórios que os terroristas vêem como a sua terra. Do Líbano ao Sri Lanka, à Tchetchénia, a Caxemira, à Cisjordânia, todos as grandes campanhas de terrorismo suicida – mais de 95% dos incidentes – tiveram como objectivo central, forçar a retirada de um estado democrático.” – Professor Robert Pape, autor de Morrendo para Vencer: A Lógica do Terrorismo Suicida.

Por isso, quando Bush lhes chama “Islamo-Fascistas”, percebeu tudo errado, mas no fundo é esse o objectivo de levantar o assunto dos Muçulmanos, porque evita lidar com as causas subjacentes e ao mesmo tempo esconde as questões essenciais.

Como assinala Pape (e ele não é de esquerda), a esmagadora maioria dos chamados bombistas suicidas são motivados por razões políticas e não religiosas. Deste modo, a infinita torrente de propaganda que tenta deitar a culpa em fanáticos religiosos, apenas ajuda a diabolizar aqueles que estão sentados em cima de recursos que o Ocidente necessita tão desesperadamente, bem como secções da nossa sociedade que são, em virtude da sua pele escura, e presumimos Muçulmanos, um bode expiatório mesmo à mão.

Historicamente, este tipo de campanhas de propaganda explora o racismo e xenofobia latentes, que são endémicos no imperialismo. De facto, pode-se argumentar que o racismo e o imperialismo permanecem inseparáveis, como tem sido durante séculos, para justificação ideológica dos crimes dos exploradores.

Quando pessoas e mesmo comissões de inquérito, falam de “racismo institucional”, o que realmente querem dizer é que todo o aparelho de estado é cúmplice na promoção de uma visão do mundo que considera a “civilização” Ocidental e os seus chamados valores, superiores de forma inata, simplesmente em virtude da “raça”. E, como revela a admissão ocasional, por um servo do estado, sem destruir o aparelho de estado, é impossível remover.

Estas formas de ver o mundo estão integradas em cada aspecto da sociedade, desde a educação ao sistema de justiça criminal. Até o nosso sistema público de saúde não escapa ao insidioso veneno da ideologia do racismo. As instituições psiquiátricas, tal como as prisões, estão a rebentar com um número desproporcionado de pessoas pobres e negras.

Num tal ambiente, é de admirar que os “alertas terroristas” sejam tão eficazes quando se focam nessas secções da nossa sociedade, já alienadas e oprimidas?

Notas

Quer acredite ou não, que o actual “alerta” é a sério, as evidências do envolvimento dos governos do Reino Unido e dos Estados Unidos em esquemas e provocações, são enormes.

‘Última Ameaça Terrorista – Mais Presciência Governamental’, Por Joel Skousen, World Affairs Brief’, 12/8/2006 http://rense.com/general73/latest.htm

‘O Plano Terrorista Britânico: Nível Dois da Surpresa de Outubro’ Hassan El-Najjar, 11/8/2006
tinyurl.com/lgwwu

O Segundo 11 de Setembro “do Pentágono”
“Outro ataque [11 de Setembro] poderia criar uma justificação e uma oportunidade para retaliar contra alguns alvos conhecidos”, por Michel Chossudovsky, 10/82006
www.globalresearch.ca/index.php?context=
viewArticle&code=CHO20060810&articleId=2942

Sete Patetas num Armazém
www.infowars.com/articles/terror/
seven_morons_in_a_warehouse.htm

Sears Tower: Governo dos EUA Cria Outra Célula da Al-Qaeda
prisonplanet.com/articles/june2006/230606searstower.htm

Canário Cozido Regorgita Plano Terrorista Reciclado
prisonplanet.com/articles/june2006/220606cookedterror.htm

‘Plano Terrorista” Canadiano Começa a Clarificar-se
prisonplanet.com/articles/june2006/060606terrorplot.htm

Raide Terrorista Inflacionado Prova Ser Um Tigre de Papel
prisonplanet.com/articles/june2006/050606terrorraid.htm

Terroristas de Toledo e Cerco Governamental
prisonplanet.com/articles/februa
ry2006/240206toledoterrorists.htm

Vinte e Três Especialistas da “Inteligência” Dizem Que o Plano Terrorista de LA era Falso
prisonplanet.com/articles/february2006/100206plotasham.htm

Bush Joga Carta Terrorista Com Um Falso Plano Terrorista em LA
prisonplanet.com/articles/february2006/100206terrorcard.htm

“Plano” do Metro de Nova Iorque: Mais Um Falso Alerta Terrorista
www.prisonplanet.com/articles/
october2005/101005faketerror.htm

VER TAMBÉM: ARQUIVO DE FALSOS ALERTAS DE TERRORISMO
www.prisonplanet.com/archive_war_on_terror.html#alerts

 

 

 

[N.T.1]. – “O Grande Dia”, em alemão.

 

 

Texto escrito originalmente por William Bowles e traduzido por Alexandre Leite. O original foi publicado em http://williambowles.info/ini/2006/0806/ini-0445.html a 12/8/2006.

publicado por Alexandre Leite às 23:09

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 10 de Julho de 2006

Forçando os factos a encaixar na teoria

Uma reportagem no jornal “Daily Mirror”, de 16/7/2005, com o título “Exclusivo: Terá sido suicídio ?”, tenta usar essencialmente os mesmos factos apresentados aqui mas ainda conclui serem bombistas. Há muitas questões nesta visão, especialmente à luz das últimas informações aparecidas.

Em primeiro lugar, todos compraram bilhetes de ida e volta e um bilhete de oito horas de um parque de estacionamento em Luton, por isso tinham mesmo intenção de voltar. O Mirror assegura que planeavam colocar as mochilas algures, mas foram “enganados” pelo seu “tutor”.

Os quatro tinham grandes mochilas, que seriam dificilmente deixadas numa carruagem, sem dar nas vistas. Qualquer pessoa que conheça o metro de Londres sabe que tentar esconder alguma coisa lá, não é fácil. Não há espaços por baixo de assentos, não há prateleiras para bagagens, de facto, não nenhum sítio para esconder grandes mochilas. Por isso, como é que eles pensavam deixar as suas mochilas sem chamar a atenção? Até aceito que não seja impossível mas têm grandes hipóteses de serem descobertos. E durante mais de uma década de bombas do IRA, nenhuma bomba foi colocada no metro.

A reportagem diz

A polícia e o MI5 [Serviço de Informações Secretas Britânico] estão a investigar se a Al- Qaeda teria dito aos quatro homens que tinham tempo de escapara depois de accionarem os temporizadores. Em vez disso, elas explodiram imediatamente.

Uma fonte da segurança disse: “Se os bombistas sobrevivessem e fossem apanhados, provavelmente iam-se descair. Será que quem os ordenou iria permitir isso? Não nos parece.”

Pensava que a polícia tinha descartado a hipótese dos temporizadores… Mais factos forçados a encaixar na teoria. E quem é que a polícia e o MI5 vão investigar, exactamente? O “químico”, de quem os media tanto falam? “Químico” este que se percebeu agora não ter nenhuma ligação aos atentados. Apenas é proveniente de Leeds, é Egípcio e viajou para o Egipto na altura “certa” (ver notícia da BBC, Bioquímico não tem ligação à Al-Qaeda”)

Dois dos alegados bombistas tinham esposas grávidas e, por último, todos tinham montes de identificação, carta de condução, cartões de crédito, etc… Não é exactamente a descrição de um discípulo fanático da Al-Qaeda. Até a reportagem do Mirror explica que “Os bombistas suicidas normalmente livram-se de todos os objectos identificadores”, apesar de não explicar em que se baseia para dizer isso, mas assumindo que é verdade. A reportagem do Mirror dá a volta a isto, dizendo que eles eram “dispensáveis”, citando novamente uma fonte “da segurança”.

“Quem estava por trás disto não quis perder os seus melhores operacionais numa missão suicida. Em vez disso, optaram por homens facilmente recrutáveis, pouco graduados e que devem ter acreditado que escapavam”

Tudo muito conveniente, sem dúvida, mas a ideia de que eram “pouco graduados”, introduz mais uma suposição totalmente infundada, sobre a natureza dos bombistas suicidas, nomeadamente que eles se dividem em diferentes graduações (ou será qualificações?). Ao fim e ao cabo, morto é morto. Mais uma vez, a reportagem do Mirror dá a volta, citando mais uma “fonte da segurança”.

Se os bombistas sobrevivessem e fossem apanhados, provavelmente iam-se descair. Será que quem os ordenou iria permitir isso? Não nos parece.

E, para o caso de não termos percebido bem, mais um “fonte da segurança” diz ao Mirror

Quem estava por trás disto não quis perder os seus melhores operacionais numa missão suicida. Em vez disso, optaram por homens facilmente recrutáveis, pouco graduados e que devem ter acreditado que escapavam.

Fico espantado como se consegue “facilmente recrutar” alguém que vai rebentar com pessoas aos pedaços, quer acredite ou não que vai escapar. Era preciso ser muito estúpido para se deixar enganar e pensar que até podia “escapar”, especialmente de uma carruagem de um metro subterrâneo, se de facto era esse o local planeado. Nada até agora indica que os alegados bombistas tinham uma educação abaixo do normal, parecendo mesmo relativamente bem integrados e indivíduos “normais”, de acordo com as declarações que já li.

A reportagem também se refere aos atentados de Madrid, de ano passado [2004]

Ataques terroristas semelhantes, contra transportes públicos em Madrid, no ano passado, levados a cabo por elementos que tiveram tempo de escapar e planeavam atacar novamente.

Excepto que no caso de Madrid as bombas explodiram a céu aberto, perto de comboios e autocarros, onde era fácil, para os bombistas, escapar. As bombas também eram muitíssimo maiores do que as usadas em Londres, por isso, não dá para comparar.

Outra questão a que nem a reportagem nem a polícia dão uma resposta pronta, são os 81 minutos de intervalo entre as bombas do metro e a do autocarro.

Uma explicação alternativa à da hipótese de correios de droga, é que ao encontrar a Northern Line fechada em Kings Cross, ter tomado um diferente caminho, após contactar o seu “tutor”, para seguir para o “destino” pretendido, e as bombas podiam ter sido detonadas remotamente. O meu colega Edward Teague sugeriu que as bombas podem ter sido detonadas através de Wi-Fi ou mesmo Bluetooth (apesar do limitado alcance, especialmente do Buetooth, me fazer excluir estas hipóteses). Alternativamente (e muito mais simples), pode ter havido uma falha num dos temporizadores. De acordo com uma testemunha no autocarro, que viu um homem atrapalhado com a sua mochila antes do rebentamento, o homem soltou um grande grito imediatamente antes da bomba rebentar! Talvez tenha descoberto o que realmente transportava?

 

 

E parece que agora a polícia mudou a sua história, mais uma vez, e têm a certeza absoluta que foram usados temporizadores e explosivos comerciais. Então, o que é que aconteceu ao super-carregado peróxido de acetona, para remover verniz das unhas, que supostamente foi encontrado em casa de um dos bombistas?

Quanto mais se sabe, menos verosímil parece a ideia de que estes quatro eram bombistas, quer fossem suicidas ou não. Mas ainda fica a questão de quem montou este esquema, por responder. Principalmente tendo um “padrão” que não se enquadra no de anteriores atentados, especialmente a sofisticação das bombas (bem, de acordo com a polícia).

Tendo em conta todos estes factos, parece ter sido uma operação bastante sofisticada que tem todo ar de ser uma operação patrocinada por um estado.

 

 

Texto publicado originalmente em 17 de Julho de 2005, da autoria de William Bowles, disponível em http://williambowles.info/ini/ini-0348a.html, e traduzido por Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 13:59

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 1 de Julho de 2006

Os mortos não contam histórias

Foram as bombas de Londres uma tramóia?

Mohammed Hanif, 31, e Abdul Mateen, 22, de Deeplish em Rochdale foram apanhados em Glasgow com 10kg de droga, avaliada em 1 milhão de libras britânicas [cerca de 1 milhão e meio de euros] em valor de mercado. Hanif alegou que Mateen o tinha levado a Glasgow para buscar 500 libras [perto de 700 euros] que um outro asiático lhe estava a dever, por causa de um carro.

Os detectives da polícia de narcotráfico de Strathclyde, seguindo uma denúncia, prenderam a parelha e encontraram a droga na mala do carro.

news.scotsman.com/topics.cfm?tid=1162&id=1453462004

 

Sou desconfiado em relação a teorias da conspiração, especialmente quando envolvem esquemas muito retorcidos. Guio-me pela lógica de Occam[1], no entanto, desde os acontecimentos de 7 de Julho, algo me estava a incomodar sobre a natureza dos últimos ataques terroristas, e não apenas o momento escolhido mas também os métodos. Chamem-lhe uma intuição se quiserem, mas à medida que era disponibilizada mais informação acentuaram-se as minhas suspeitas de que nem tudo seria como parecia. E como os quatro jovens estão (convenientemente) mortos, nunca ouviremos o que têm a dizer sobre esta história.

Considerem os seguintes factos:

Os quatro conheciam-se entre eles, tinham viajado juntos nesse dia, dois a partir de Leeds, um amigo de Leeds que se tinha mudado para Luton e um rapaz Jamaicano que tinha chegado recentemente a Aylesbury.

Os quatro homens apanharam o comboio de Thamesmead de Luton para King Cross, Londres, com mochilas às costas. Parecia, disse um polícia que viu as filmagens da segurança do edifício da estação de King Cross, que iam passear, de férias, rindo e brincando.

Separaram-se, três para morrerem daí a 20 minutos, o quarto, um rapaz de 18 anos, uma hora mais tarde, na parte de trás do segundo andar de um autocarro.

Apesar de um deles ter um belíssimo Mercedes vermelho, eles alugaram um carro que deixaram em Luton, antes de seguirem para Londres, de comboio. Este é um método usual dos correios da droga, já que a tecnologia de leitura das matrículas, usada pela polícia, torna os correios de droga muito vulneráveis a serem identificados.

Pelo menos dois, tinham registo criminal por pequenos crimes, assaltos em lojas e fraude, e dois dos homens de Leeds tinham feito algumas viagens ao Paquistão, uma conhecida fonte de heroína (a maioria da heroína consumida na Europa e nos Estados Unidos vem do Afeganistão, e muita dela é traficada através do Paquistão). O bairro de Leeds, de onde três dos jovens eram oriundos, é conhecido como um local de venda de droga.

Se assumirmos que pensavam que transportavam sacos de droga, talvez até o tenham feito antes, uma ou duas vezes, “sem fazer perguntas”, apenas entregar a encomenda e receber a massa.

São-lhes dadas instruções, talvez para se encontrarem com alguém no metro ou no autocarro, e para entregarem as mochilas. Talvez tivessem de procurar um sinal pré combinado ou algo que identificasse o receptor. “Deixa a encomenda e recebes as tuas mil libras [+- 1500 euros] quando voltares.” Dinheiro fácil. Quatro jovens trabalhadores, para quem o chamamento de dinheiro fácil e rápido é difícil de resistir, as mulas perfeitas.

Assumam portanto, que eles julgavam transportar droga, talvez levantando a encomenda em Luton e transportando-a para Londres. Para reduzir a possibilidade de intercepção, é muito comum fazer a entrega da droga em separado.

As bombas estão programadas para rebentar às oito, na hora de ponta, e convenientemente os que as transportam são mortos. Sem testemunhas, sem forma de seguir pistas até chegar a quem os tramou. A polícia está a dizer quem os organizou já saiu provavelmente do país.

A história oficial é de que não foram usadas bombas-relógio, mas uma primeira nota da polícia alegava que de facto teriam sido usados temporizadores (ver “Temporizadores Usados nas Bombas, Diz a Policia ; Encontrados Paralelos com Madrid”). Se eles eram realmente bombistas suicidas, somos levados a pensar que independentemente de onde quer que estivessem, deveriam detonar as bombas precisamente às 8:50 da manhã.

 

A Hora-Limite

Para que a história oficial seja credível, pedem-nos que acreditemos no seguinte cenário:

Parecem posar (convenientemente) para as câmaras de vídeo de segurança na estação de Kings Cross às 8:30 da manhã, a apenas 20 minutos de três das explosões (8:50) e depois seguem para três diferentes localizações e fazem detonar as bombas com diferenças de alguns segundos entre eles (a bomba do autocarro parece não corresponder à mesma precisão das outras detonações). E lembrem-se que os telemóveis não funcionam na rede subterrânea do metro.

Agora, assumindo que seguiu cada um o seu caminho e todos apanharam logo diferentes composições até ao momento em que as bombas foram detonadas, será que planearam fazê-lo em 20 minutos (ou menos)? O tempo médio gasto entre cada estação, no metro de Londres, é de 4 minutos (algumas menos, especialmente as do centro da cidade).

De Kings Cross a Aldgate são cinco estações; Kings Cross-Farringdon, Barbican, Moorgate, Liverpool Street e Aldgate, na Linha Circular. A bomba rebentou entre Liverpool Street e Aldgate. Teriam os bombistas tempo suficiente para chegar à a estação, a partir da estação principal, esperar por uma composição e ir para o local em menos de vinte minutos (isto assumindo que depois de terem sido filmados pelas câmaras de segurança, apanharam o metro imediatamente).

Russell Square fica apenas a uma paragem, na Linha Piccadilly. O bombista tinha de descer dois lanços de escadas (é uma das linhas que ficam a maior profundidade, em Londres) e esperar por uma composição.

Edgeware Road fica a quarto paragens, King Cross-Euston Square, Great Portland Street, Baker Street e Edgeware Road, também na Linha Circular mas no sentido oposto.

 

A bomba no autocarro

A polícia alegou que o quarto bombista pretendia apanhar o metro da Linha Norte mas por alguma razão trocou pelo autocarro (a Linha Norte também passa por Kings Cross), mas trocou porquê? Os autocarros são bastante irregulares e como há uma diferença de perto de uma hora entre o momento em que rebentou a bomba do autocarro e as outras, e a polícia diz que não foram usados temporizadores, como se explica esta diferença? Poderia ter acontecido algo de errado com o relógio? Provavelmente nunca saberemos. Mas parece estranho a bomba ter rebentado no andar de cima do autocarro e não no andar de baixo, onde teria provocado maiores danos. A principal força da explosão parece ter sido para cima e o tecto é de alumínio leve, feito apenas para proteger das intempéries. Uma fotografia do autocarro, tirada uns segundos após a explosão, mostra algumas pessoas, em pé, no andar de cima do autocarro, à espera de descerem. Se o homem, o jovem Jamaicano que transportava a bomba, era um participante voluntário, com certeza se teria posicionado onde faria mais estragos, na parte de baixo, não lá em cima! E para além disso, na parte de trás?

Fontes policiais disseram à BBC que não tinham recuperado nenhum aparelho de medição de tempo, nos locais das explosões, possivelmente indicando que a detonação foi manual.

news.bbc.co.uk/1/hi/uk/4676861.stm

 

Sem temporizador, quais são as probabilidades das três bombas estarem dentro de uma carruagem e detonarem exactamente ao mesmo tempo? Como teriam sido capazes de se sincronizarem de forma tão precisa e saberem que estavam todos em posição?

Depois, temos a facilidade com que a polícia os identificou. Inicialmente, foi assumido que eles eram vítimas das bombas, mas depois passaram a culpados (news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/4678837.stm). Como?

 

O que levou a polícia e apontar os quarto jovens das imagens da segurança? O facto de todos terem mochilas ou de todos serem Asiáticos e Afro-Caribenhos? Qualquer pessoa que conheça Londres saberá que montes de pessoas têm daquelas mochilas e que até são incómodas nos autocarros e nos comboios, pois fazem com que uma pessoa ocupe o dobro do espaço normal.

A reportagem da BBC “Longe de terminada, a investigação sobre a bomba” é lapidar ao dizer que

É quase inconcebível que os quatro indivíduos tivessem actuado por si próprios.

Um grupo de desconhecidos, principalmente jovens, poderia ter a intenção de “fazer alguma coisa”, mas ter a capacidade de transformar essa vontade em acções implicaria uma mais ampla habilidade.
news.bbc.co.uk/1/hi/uk/4678807.stm

Embora eu concorde que eles tenham sido usados, não há nada no seu passado que sugira alguma ligação aos chamados extremistas, mesquitas, perigosos Imãs ou o que quer que fosse. Mas dizem-nos que

A melhor prova para isto vem dos explosivos utilizados – explosivos plásticos de alta qualidade que se calcula não tenham sido feitos em casa.

Este tipo de explosivos é de difícil obtenção no Reino Unido mas mais fácil no estrangeiro, em locais como a Europa de Leste e os Balcãs.

Outra fonte serão obviamente os serviços de segurança e/ou militares de inúmeros países, incluindo o RU.

O mais espantoso de tudo isto é o facto, admitido pelas autoridades, de que os alegados bombistas não estavam no “radar” da polícia. Alguns relatórios sugeriram que seriam “camuflados” mas eu penso, será que os autores leram muitos livros do John le Carré?

As autoridades agiram com a presunção de que os quatro jovens eram realmente bombistas suicidas, não marionetas, e claro que sem os quatros presentes para contarem a sua versão da história, é muito fácil fazer os factos encaixarem na teoria, servindo o grande objectivo ideológico do estado em apresentá-los como “fanáticos”.

A cadeia de acontecimentos parece assim apontar para o facto de a localização das explosões ter sido, em grande parte, puro acaso, determinado apenas pelas instruções dadas aos quatro sobre quando e onde deviam ir, inconscientes de que esta seria a sua última viagem.

 

Foi uma tramóia da Mossad?

Se for verdadeiro o cenário de serem correios de droga, há ainda a questão de, quem os tramou? Um aspecto desconcertante dos acontecimentos que antecederam as explosões é a história, divulgada pela AP de que Binyamin Netanyahu foi avisado para não sair do hotel (ele estava no Great Western Hotel, adjacente à estação de Liverpool Street) na manhã dos rebentamentos, tendo a história sido divulgada mais ao fim do dia

Notícia: Israel Foi Avisado Antes Do Primeiro Rebentamento

Arutz Sheva | 7 de Julho de 2005

(IsraelNN.com) Army Radio citando fontes credíveis não confirmadas noticiou há pouco tempo que a Scotland Yard teve avisos dos ataques, pouco tempo antes de terem ocorrido.

A Embaixada de Israel em Londres foi notificada a tempo, resultando daí a permanência do Ministro das Finanças, Binyamin Netanyahu, no seu quarto do hotel, em vez de se deslocar ao hotel adjacente ao local da primeira explosão, estação de Liverpool Street, onde iria participar numa conferência económica.

Neste momento, os serviços de metro e autocarros foram suspensos, na sequência dos ataques. Nenhuma organização terrorista reivindicou responsabilidades até agora.

Fontes oficiais de Israelitas indicam que o aviso da Scotland Yard não significa de forma alguma que Israel fosse um alvo nesta série de aparentes ataques terroristas.

A Mossad tem uma história bem documentada do uso de bombas para eliminar opositores ou como provocação, e fazer com que pareça terem sido outros a fazê-lo. O último caso foi o assassinato de Hariri, em Beirute, no Líbano, que uma investigação da ONU revelou ter sido um assassinato bem planeado com a bomba escondida na estrada com muita antecedência (ver ‘Como foi colocada a bomba’). Muitas vezes usam habitantes locais para efectuar as operações.

Claro que nada disto pode ser provado, são apenas conjecturas mas que fazem sentido nestas circunstâncias, com o passado dos quatro jovens e as suas movimentações, o momento das explosões, e muito importante, é uma explicação para que as explicações da polícia tenham dado tantas reviravoltas. Inicialmente disseram-nos que as bombas foram detonadas por temporizadores e que não havia bombistas suicidas envolvidos. A mudança de história faz sentido se presumirmos que os quatro jovens não sabiam que transportavam bombas. A polícia pegou nas provas e usou-as para encaixarem num cenário pré-determinado.

Claro que o governo está a usar este acontecimento para conseguir fazer passar medidas ainda mais repressivas e foi rápido a culpar a Al Qaeda e a “rede internacional terrorista” pelos mortíferos ataques.

 [1] - "As entidades não devem ser multiplicadas além do necessário, a natureza é por si económica e não se multiplica em vão". Ver http://pt.wikipedia.org/wiki/Guilherme_de_Ockham

 

 

 

 

Traduzido por Alexandre Leite, a partir de um texto de William Bowles publicado a 15 de Julho de 2005 em http://williambowles.info/ini/ini-0348.html
publicado por Alexandre Leite às 08:10

link do post | comentar | favorito
|

Todos os textos aqui publicados são traduções para Português de originais noutras línguas. Deve ser consultado o texto original para confirmar a correcta tradução. Todos os artigos incluem a indicação da localização do texto original.

Ouça música enquanto lê isto!!! Rádio Blog da 'Informação Alternativa'

Ligações

eXTReMe Tracker