Textos deste blog podem ser reproduzidos, desde que numa base não comercial ou educacional, tendo que ser informado, o autor, sobre qual o sítio onde essa publicação será feita e que os extractos sejam citados com a indicação do seu autor, e sem alteração do texto.

 

 A sua reprodução deve incluir o nome do autor e a fonte do artigo.

Procurar neste Blog


Motor de Busca com tecnologia FreeFind

artigos recentes

As mulheres não vão desis...

Movimento Popular de Oaxa...

A APPO

Uma revoução com um mínim...

Acampamento pela dignidad...

Sem ter por onde ir a não...

arquivos

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

tags

todas as tags


Estou no Blog.com.pt

subscrever feeds

blogs SAPO

Mapa de Visitantes (Neste Mês)

Localização de quem visita esta página
Sexta-feira, 24 de Novembro de 2006

As mulheres não vão desistir

“As mulheres não vão desistir, nem aqui nem em nenhum lado”, um cântico numa manifestação de mulheres em Oaxaca, 7 de Novembro de 2006.

 

As pessoas do estado de Oaxaca estão sob ataque do governo mexicano: nas ruas estão 10,000 polícias, 3,500 polícias anti-motim com bastões, e a apoiá-los há 3,000 polícias militares munidos com armas automáticas. 5,000 militares estão à espera fora da cidade, enquanto um número desconhecido de paramilitares apoiados pelo Partido Revolucionário Institucional (PRI) andam ainda a disparar.

 

Tudo começou a 14 de Maio de 2006, quando 70 mil professores de Oaxaca entraram em greve com um grande apoio popular da cidade. A greve não terminou. Em vez disso o governador de Oaxaca, Ulises Ruiz Ortiz, mandou a Polícia Federal Preventiva (PFP) acabar com os protestos. Tiveram que lidar com uma resistência feroz por parte dos professores bem como dos cidadãos de Oaxaca. Esta situação levou a uma intensificação da violência e da repressão governamentais, o que não intimidou a população civil: homens, mulheres e crianças vieram para as ruas, em defesa da sua terra, da sua dignidade, e de um futuro democrático; eles montaram barricadas e enfrentaram a PFP com paus, pedras e camiões. As mulheres fizeram e distribuíram máscaras contra os ataques de gás lacrimogéneo, feitas a partir de pensos higiénicos.

 Mulheres em Oaxaca

O número aproximado de detidos, até agora, é de 85. Cerca de 34 pessoas desapareceram e 15 foram mortas por forças policiais ou paramilitares. De facto, todos os dias há numerosos actos de agressão a membros da APPO, das suas famílias e apoiantes. As mulheres são especialmente atingidas, como se viu nos ataques em Atenco, em Maio de 2006, onde as mulheres foram procuradas e violadas pela PFP. Muitas mulheres de Oaxaca estão actualmente detidas, por causa dos seus actos de resistência. Numa carta de oito prisioneiras políticas detidas em Chiconautla

e Santiaguito, elas dizem que, “Eles ensinaram-nos a unir todas as lutas.”

 

A 7 de Novembro de 2006, 5,000 mulheres vieram para as ruas pedindo a demissão do governador de Oaxaca, Ulises Ruiz Ortiz, a libertação de todos os prisioneiros políticos, e o retorno dos desaparecidos. As mulheres confrontaram a polícia gritando “Assassinos!” e a polícia respondeu disparando canhões de água contra elas.

 

Tal como as mulheres de Oaxaca resistem heroicamente aos massacres do governo mexicano contra o seu povo e o tomada da sua terra, noutro ponto do mundo, também as mulheres palestinianas resistem: a 3 de Novembro de 2006, as forças de ocupação israelitas, cercaram cerca de 70 combatentes da resistência palestiniana numa mesquita em Beit Hanoun, Palestina. Em resposta, aproximadamente 1500 mulheres palestinianas desarmadas, desafiaram o recolher obrigatório e caminharam da povoação próxima de Beit Lahiya até à mesquita em Beit Hanoun. Romperam um cordão israelita de tropas e tanques, gritando aos militares israelitas para abandonarem Gaza. Elas rodearam a mesquita e algumas mulheres entraram e levaram roupas para disfarçar os homens da resistência. As forças de ocupação israelitas disparam contra o grupo, matando duas mulheres palestinianas. Uma morreu no local, outra morreu depois no hospital. 17 mulheres ficaram feridas, quando as tropas de Israel dispararam contra a multidão de mulheres desarmadas. Esta acção das mulheres palestinianas conseguiu a libertação de 70 combatentes da resistência palestiniana.

 Mulheres na Palestina

A contagem de mortos em Beit Hanoun, durante a semana deste cerco, ultrapassou as 90 pessoas, e mais de 300 palestinianos foram feridos.

 

“A lição que o mundo tem de aprender com a semana passada em Beit Hanoun é que nós palestinianos nunca iremos abandonar as nossas terras, cidades e vilas. Não vamos abdicar dos nossos direitos por um pedaço de pão ou por uma mão cheia de arroz. As mulheres da Palestina irão resistir a esta monstruosa ocupação que nos é imposta com armas apontadas, cercos e fome. Os nossos direitos e os das nossas gerações futuras não são negociáveis. Quem quiser a paz na Palestina e na região, tem de dirigir as suas palavras e sanções ao ocupante, não ao ocupado, ao agressor, não à vítima. A verdade é que a solução está em Israel, no seu exército e nos seus aliados – não nas mulheres e crianças palestinianas.” – Jameela Al Shanti é membro eleito do Conselho Legislativo Palestiniano do Hamas e ajudou a organizar e liderar um protesto de mulheres contra o cerco de Israel em Beit Hanoun, a 3 de Novembro de 2006.

 

Para mais informação ver:

 

www.oaxacarevolt.org

www.onepalestine.org

 

 

Texto publicado em http://www.fileden.com/files/2006/7/6/111531/OaxacaPalestineflyer2.pdf . Traduzido por Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 23:49

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 20 de Novembro de 2006

Movimento Popular de Oaxaca com Seis Meses

Detenções, Desaparecimentos, Assassinatos e Violações dos Direitos Humanos são Inúmeras mas Não Conseguiram Parar a Luta

 

Por Nancy Davies
Comentário a partir de Oaxaca

17 de Novembro de 2006

Instalarem-se as mesas no acampamento de Santo Domingo agora ocupado pela APPO é uma clara indicação da gravidade do assunto dos direitos humanos em Oaxaca. A qualquer hora do dia ou da noite é possível encontrar as mesas guardadas por advogados dos direitos humanos ou por professores. Noutras alturas, voluntários ocupam-se das mesas onde são registados os nomes de desaparecidos pelas suas famílias, num livro. As listas são publicadas pela Liga Mexicana Em Defesa dos Direitos Humanos (LMEDDH).

De 29 de Outubro a 14 de Novembro, desapareceram trinta e uma pessoas. Das 104 pessoas detidas ilegalmente, 95 foram libertadas, 9 ainda estão em prisões estaduais. Os crimes de que são acusadas incluem obstrução da via pública, insurreição, associação criminosa, conspiração, roubo, rebelião e ameaças. Foram emitidos mandatos para vários professores e pessoas da APPO, que andam de noite de casa para casa para dormirem. A PFP [Polícia Federal Preventiva] entrou ilegalmente em casas para procurar e levar pessoas. Na Rádio Universidade, a agora famosa Doutora Berta, cuja voz é tida como a voz da sanidade, da calma e da razoabilidade no ar, não sai das instalações da universidade. Como outros, ela vive praticamente dentro dos seus muros protectores. A Rádio Universidade ainda emite, mas o seu sinal está a ser bloqueado pelo governo.

15 de Novembro foi o dia marcado para Ulises Ruiz Ortiz fazer a sua mensagem do “estado do Estado”, chamada “informe”. Supostamente iria ilustrar a governabilidade de Oaxaca, e como as coisas estão a ir bem. Devido ao nível de “governabilidade” existente, o governador entregou a sua declaração escrita ao seu Secretário de Governação para que ele o entregasse aos legisladores. Ao mesmo tempo, o governador pediu 123 mil milhões de pesos [perto de 8,7 mil milhões de euros] ao governo federal, para acabar com o movimento da assembleia popular em Oaxaca. Apesar de Ulisses Ruiz reclamar que o estado funciona normalmente, no entanto ele apela ao envio de mais tanques e armamento. O informe pede uma mão firme por parte de Felipe Calderón.

Desculpem lá, mas isto parece uma clara admissão de que o estado não está governável.

A APPO, no dia do informe, optou por demonstrar que Oaxaca é de facto ingovernável. Foram marcadas marchas a partir de três locais diferentes, para exigir a saída da PFP.

A marcha com perto de 10 000 professores de Valles Centrales e Sierra Norte, mais os apoiantes da APPO, teve de lidar com ataques da PFP a partir de “telhados amigos” ou de casas particulares, usando fisgas para disparar berlindes de vidro contra os manifestantes (esta táctica de provocação também foi usada a 2 de Novembro). A marcha, que tinha tido origem fora do centro, aproximava-se agora dum ponto a sul do zócalo [centro da cidade] onde um ou dois manifestantes, apesar dos apelos da APPO para não haver retaliação às provocações, provocaram a Polícia Federal Preventiva que guardava o zócalo. A PFP respondeu primeiramente a cânticos de “Oaxaca não é um quartel”, “PFP fora de Oaxaca” e outros slogans, com pedras e berlindes lançados com fisgas. Os manifestantes responderam com pedras e garrafas de água. Depois, a PFP lançou gás lacrimogéneo. O cruzamento onde ocorreram as confrontações fica perto de lojas e da escola primária Enrique C. Rebsámen, onde cerca de 400 estudantes estavam nas aulas. O gás espalhou-se para todos os lados, causando preocupação tanto aos lojistas como aos alunos. Os manifestantes passaram para outra rua.

Ao mesmo tempo, ocorreram outras duas manifestações na cidade de Oaxaca e uma outra em Istmo of Tehuantepec. Várias estradas estiveram bloqueadas.

Nesse mesmo dia, dois jovens fotógrafos foram raptados no zócalo. Foram levados num veículo com matrícula, anotada pela assistência. Uma mulher que andava às compras viu a PFP a agarrar nas câmaras, mandar os dois fotógrafos ao chão e pontapeá-los. Os homens, que tinham estado a tirar fotografias aos agentes da PFP, foram em primeiro lugar interpelados por um oficial que os mandou parar. Depois, a polícia levou a suas mochilas. A mulher que assistiu a tudo isto acercou-se dos polícias e disse-lhes que aqueles homens estavam nos seus direitos, que eram cidadãos oaxaquenhos, e que não estava certo o que a polícia estava a fazer. Um grupo de polícias rodeou a mulher numa tentativa de a intimidar. Depois rodearam os dois homens e empurraram-nos brutalmente para dentro de um carro da polícia e arrancaram.

A PFP tirou depois muitas fotografias a essa mulher e segui-a no caminho que ela fez em direcção à barricada de Cinco Señores para contar o rapto que tinha acontecido. A mulher foi posta em contacto telefónico com os observadores dos direitos humanos, com os quais falou longamente, descrevendo a situação, os homens raptados, o carro (com os números da matrícula) que os levou. Depois da chamada telefónica ela continuou a exprimir a sua raiva e desgosto relativamente à polícia, em termos que indicavam que a dona de causa na sua ida às compras se tinha radicalizado abruptamente.

Em dois dias, os advogados dos direitos humanos obtiveram a libertação destes dois fotógrafos, que claramente tinham sido presos sem base legal. Os fotógrafos estrangeiros são extremamente cautelosos, e relataram terem sido perseguidos. Esta “guerra suja” está a crescer em Oaxaca, com paramilitares, desinformação na imprensa, intimidação e repressão nas várias formas de discurso político.

Observadores estrangeiros parecem estar em todo o lado – não apenas amadores mas pessoas com renome (aqui são desconhecidos) incluindo um médico americano, um realizador, um foto-jornalista alemão, e equipas de repórteres. Hoje, uma equipa foi entrevistar um homem que foi preso e sujeito a 8 dias de provação onde foi torturado pela polícia; uma equipa foi debater os desaparecimentos e o caso de 24 corpos presentes no anfiteatro da Cruz Vermelha.

As únicas pessoas autorizadas a entrar na morgue para ver os corpos são os da LMEDH e da Rede Oaxaquenha de Direitos Humanos. São eles que compilam as listas de desaparecidos e os testemunhos relacionados. São eles que trabalham directamente com o Comité de Membros da Família e Amigos de Desaparecidos, Detidos e Prisioneiros Políticos. Para além disso, têm uma longa relação (embora difícil) com a Cruz Vermelha, que lhes permite o acesso à morgue. O Comité formado há apenas algumas semanas, tendo um papel importante, não é o único grupo que lida com a questão das pessoas desaparecidas. Muitas pessoas que apoiam o Comité (por exemplo, os assistentes das mesas dos direitos humanos em Santo Domingo) são voluntárias.

A História que Não Acontecer

Na manhã de domingo, 2 de Novembro, dois fotógrafos curiosos a que apelidarei de L e H, estiveram na mesa dos Direitos Humanos na zona de Santo Domingo, onde os apoiantes da APPO estão actualmente acampados. Aí eram exibidos vídeos mostrando vários ataques governamentais e a resposta da população, combatendo as armas de grande calibre da polícia com pedras, fisgas, paus e cocktails Molotov de fabrico caseiro. Nos últimos vinte dias, uma calamidade de direitos humanos atingiu o movimento. Sob a capa da “manutenção da paz”, a PFP e/ou operacionais do PRI, do governador Ulises Ruiz, mataram, raptaram e fizeram desaparecer cento e trinta pessoas. Houve duas grandes batalhas. Uma foi a 29 de Outubro, a tentativa de retirar a as barricadas da APPO em frente aos edifícios governamentais. Vinte e dois foram presos, com dezasseis outros nos dois dias seguintes. Dúzias de pessoas foram feridas. A tentativa falhada da PFP de invadir a estação de rádio da Universidade Autónoma Benito Juarez de Oaxaca (UABJO) numa batalha de sete horas, teve lugar a 2 de Novembro. Nesta altura foram metidas pessoas em helicópteros e presumivelmente levadas para prisões. Perto de uma dúzia simplesmente desapareceram.

Entrevistas posteriores com prisioneiros libertados indicam que as pessoas eram colocadas à porta do helicóptero e ameaçadas de serem atiradas borda fora. Na prisão eram torturados, quer física quer psicologicamente.

Quando L e H se aproximaram de um trabalhador dos direitos humanos, C, para obter informação, foi-lhes dito que tinham sido descobertos corpos – num pequeno anfiteatro nos terrenos da Cruz Vermelha. Um relato dizia que os cadáveres estavam na morgue do hospital público há um número desconhecido de dias. Depois, o hospital resolveu que não os podia guardar durante mais tempo, e mudou-os para o edifício da Cruz Vermelha, localizado na Rua Bustamante, no centro da cidade de Oaxaca.

L e H pegaram nas suas máquinas e dirigiram-se para lá.

Quando chegaram ao edifício da Cruz Vermelha descobriram uma janela – alta demais para espreitar, mas H conseguiu colocar a sua câmara acima da sua cabeça e espreitou pelo visor. E que visão. Ali estavam os corpos, empilhados uns em cima dos outros em prateleiras. Os corpos estavam todos nus. Não foi possível contar precisamente quantos eram a partir do ponto em que espreitavam, mas aparentemente pelo menos um era de mulher, e havia perto de vinte e quatro no total.

Enquanto L e H captavam imagens, apareceu uma pessoa saída do edifício e pediu-lhes que saíssem imediatamente, o que fizeram, levando consigo provas preciosas. As fotos foram transferidas para um disco duro e gravados vários CDs, para segurança.

Nesse mesmo dia, já de noite, duas mulheres foram a Santo Domingo para informar os observadores dos direitos humanos da existência dos vídeos. Foi necessário agir rapidamente, porque não havia maneira de saber quanto tempo é que a Cruz Vermelha iria manter os corpos com o clima de Oaxaca. Mais importante, fotografias das caras dos falecidos, impressões digitais, e provas da forma como morreram, eram essenciais serem recolhidas, tanto para as famílias que pudessem reclamar os corpos, como para as provas da morte.

Quando as duas mulheres falaram com os funcionários dos direitos humanos foram encaminhadas para um advogado dos direitos humanos, que mostrou o seu espanto pela importância da prova filmada. A esposa do advogado, que também é professora, simplesmente sentou-se, com lágrimas nos olhos. Ela sabia que as famílias dos desaparecidos têm estado angustiadas nas últimas duas semanas, sem saber se os seus membros familiares desaparecidos estariam mortos ou presos.

Dois advogados dos direitos humanos, com uma carta na mão, dirigiram-se às instalações da Cruz Vermelha, na segunda-feira de tarde, acompanhados de uma equipa de sete pessoas. Eles exigiram entrar para observar os corpos, e disseram-lhes que podiam mas que a pessoa responsável pela permissão não estava presente. Eles esperaram quase quatro horas. Eventualmente as regras mudaram, e foi-lhes dito que apenas quatro pessoas podiam entrar. Os quatro seleccionados foram um médico dos EUA, um fotógrafo da Alemanha, um médico oaxaquenho a quem foi permitida a entrada como “ajudante”, sem se assumir a sua capacidade de médico, e um enfermeiro que também entrou como um “ajudante” anónimo.

Antes de entrarem no edifício foram feitas chamadas telefónicas para alertar amigos e parentes sobre o local onde estavam, e a pedir que viessem mais pessoas da APPO para as instalações da Cruz Vermelha, para os proteger quando saíssem. Para além disso, já tinham sido feitas várias cópias do CD onde se viam os corpos, e estavam em boas mãos. Por esta altura já era noite escura, e surpreendentemente para Oaxaca na época seca, chovia bem.

Tinha sido decidido que a primeira prioridade era identificar os corpos para ver se estavam entre os desaparecidos. Isso implicava tirar uma fotografia à cara, impressões digitais, fotos dos dentes, e registo de marcas identificativas tais como cicatrizes. Nesta altura a equipa já estava cansada.

Finalmente o director da Cruz Vermelha chegou para abrir as instalações, e com ele um outro trabalhador que deixou entrar todos os sete da equipa, depois da sua espera de quatro horas, enquanto o director estava noutro lugar.

Esta equipa, durante uma hora e meia de investigação, documentou tudo o que podia sobre os mortos. Mas eles concluíram que os corpos já tinham muito tempo para serem dos desaparecidos – provavelmente mortos desde Setembro, e sem sinais de violência. Independentemente disso, tiraram-se fotografias e completaram-se os procedimentos forenses.

Os Prisioneiros Políticos e os Desaparecidos

Esta investigação espontânea dos Direitos Humanos não trouxe nenhuns resultados para as famílias ansiosas dos desaparecidos. “No entanto, quem tiver um mínimo de consciência da história,” escreve o Comité dos Direitos Humanos, “não consegue ouvir o barulho de aviões espiões a qualquer hora do dia, ou passar no centro histórico desta cidade, ou nas instalações do Canal 9 ou o “Parque del Amor”, onde a polícia federal está estacionada, sem pensar em Mussolini, Hitler e Franco, e sentir a indignação que é provocada pela intenção de manter Ulises Ruiz no poder…usando para isso, todo o peso do aparelho de estado… Graças à resistência popular, 131 compañeros foram libertados depois de terem sido arbitrariamente detidos durante a ocupação da PFP. Apesar disso, até 11 de Novembro ainda estavam presos os seguintes:

  • Humberto Jiménez Ríos
  • Jaime Guerrero
  • Gerardo Martínez
  • Héctor Guzmán Acosta
  • Joaquín Benjamín López Castillo
  • Marcos García Martínez
  • Miguel Angel García
  • Valentín Pérez Hernández
  • Víctor Hugo Martínez Toledo

Também ainda desaparecidos:

  • Alejandro Merino García
  • Ángel Santos Callejas Rodríguez
  • Ángel Soto Gallegos
  • Armando o Arnaldo Rojas Galán
  • Camilo Domínguez de los Santos
  • Erick López Ortiz
  • Felipe Pérez Tomás
  • Félix Ricardo Méndez Venegas
  • Fernando Ruiz Santos
  • Isaías Pérez Mireles
  • Jesús Martínez Hernández
  • Máximo Reyes Pérez
  • Pedro “N”
  • Teodoro Tiño Verado
  • Ubaldo García Guzmán
  • Yeni Jarquín Aguilar
  • Diego Magdiel Rodríguez Hernández

12 outros foram levados da barricada no bairro de Felipe Carrillo Puerto na Avenida Ferrocarril.

Com a indignação de quem vê os seus céus, parques e praças convertidas em visíveis sinais de repressão, assinamos (membros do comité).”

Aqueles esforçados, que conseguiram apenas vinte e quatro corpos por identificar, continuam a localizar as famílias daqueles mortos. O Comité dos Direitos Humanos também continua a tentar localizar os desaparecidos. O governador continua no poder.

 

 

Texto da autoria de Nancy Davies, publicado a 17 de Novembro de 2006 em http://narconews.com/Issue43/article2353.html . Traduzido por Alexandre Leite
publicado por Alexandre Leite às 12:54

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Novembro de 2006

A APPO

         A brutal ocupação policial e militar de Oaxaca decretada por Vicente Fox e Felipe Calderón nesta sexta-feira dia 27, para reprimir a população de Oaxaca, que prosseguiu ontem [2 de Novembro], de maneira irracional, com a ofensiva militar para tomar o campus da Universidade Autónoma Benito Juárez de Oaxaca (UABJO), pontapeando o princípio constitucional da autonomia universitária, não resolverá nenhum dos problemas da entidade [Oaxaquenha], mas em vez disso irá agravar a crise nacional e tornar evidente mais uma vez, a inviabilidade histórica do governo PRI-PAN no nosso país.

1. A repressão do governo de Fox ao povo oaxaquenho, a apenas um mês de deixar o governo, acordada com o seu pretendido (de forma ilegal e ilegítima) sucessor, o usurpador Felipe Calderón, não conseguiu mais do que aumentar o número de mortos e feridos, e tornar mais grave o conflito, mostrando ao país o risco enorme que existe para todos os mexicanos, se este mesmo grupo de extremistas de direita continuar no poder, impondo as mesmas políticas.

2. A resistência popular da população oaxaquenha contra o governo de Fox, encabeçada pela APPO, já chama a atenção do mundo inteiro e continua a inviabilizar ao governo panista [do PAN] uma saída do conflito através do uso da força. Mas a obstrução de Fox e Calderón, que querem esconder que têm as mãos cheias de sangue, é maior, e com critérios fascizóides pretendem criminalizar os agredidos, e em particular a APPO e alguns dos seus dirigentes mais visíveis, como Flávio Sosa. Tentam deitar a culpa da situação para o governo estadual priísta [do PRI] escondendo a sua responsabilidade, e estão obstinados a negar a realidade fazendo de conta que não há violência e negando a sua responsabilidade nas mortes.

3. Os porta-vozes do governo federal e os escribas do regime iniciaram uma violenta campanha nos media, como noutras ocasiões, para tentar tergiversar a realidade e confundir os mexicanos. A sua obsessão é fingir que a origem do conflito radica no cancelamento que o governo de Ulises Ruiz tinha feito em 2006 dos apoios, de cerca de 400 milhões de pesos [cerca de 29 milhões de euros] às organizações sociais que fundaram a APPO, nas exigências salariais dos professores da secção 22 do SNTE [Sindicato Nacional de Trabalhadores da Educação] e na corrupção do governo local, ignorando o papel do governo de Fox no agravamento das condições de vida dos oaxaquenhos neste sexénio.

4. A actuação do governo de Fox no conflito sintetiza muitas das práticas perversas deste período de seis anos, entre outras a pretensão totalitária de impor uma versão da realidade, ainda que seja pela via da força. As violentas acções da PFP [Polícia Federal Preventiva] de ontem, com o recurso, poucas vezes visto, a tanques e helicópteros para tomar o campus da UABJO, tentavam deter a direcção do movimento e acabar com a APPO, mas também recuperar a Rádio Universidade para silenciar o povo oaxaquenho e tentar impor, como até aqui têm feito, uma única voz sobre o que acontece.

 5 . A batalha de Oaxaca entre o povo desarmado e o governo armado de Fox já é hoje uma questão nacional que preocupa todos os mexicanos, na sua maioria indignados com a barbárie de Fox, mas também uma questão internacional. Ainda mais agora, depois do assassinato, a sangue frio, do jornalista free lance norte-americano Bradley Roland Will, no município de Santa Lucía del Camino, que é um crime compartido por priístas e panistas, Ulises Ruiz e Vicente Fox, todos eles assassinos. Ou por acaso, Fox e Calderón não estão a preparar para o país, um cenário para o próximo governo no qual os grupos paramilitares sejam peças chave no pretendido “controlo da sociedade”? E não estão já esses grupos em Oaxaca?

6. A incapacidade do governo foxista em enfrentar o conflito de Oaxaca resulta da sua pretensão em fazer crer que já resolveu tudo a) sem estar disposto a ceder às exigências sociais do povo oaxaquenho expressadas pela APPO, e b) sem tocar minimamente nos acordos feitos entre ele Fox e Calderón com os dirigentes do PRI na aliança estratégica PRI-PAN para o próximo sexénio, com a intenção de conseguir a aprovação do “pacote estratégico” de mudanças neoliberais. Daí que se insista em não querer ver a dramática situação do povo oaxaquenho e que se oponha ao abandono da governação por parte de Ulises Ruiz, com o argumento de que a sua remoção abriria caminho para que uns meses mais tarde o PRI perdesse as seguintes eleições constitucionais.

7. Os comentadores do oficialismo, que pretendem que a subordinação dos quadros priístas ao PAN deve ser a troco de nada, pois que se quer é um governo mais abertamente de ultra direita, questionavam-se, sem esconder um profundo anti-priísmo de que se fazem gala (o que não consegue ocultar que há poucos anos eram filopriístas entusiastas), com pergunta mal formulada, “quantos mais mortos vale Ulises Ruiz?”, quando deveriam questionar-se: “quantos mais mortos valem os programas neoliberais sustentados na aliança PRI-PAN?”, ou “quantos mais mortos são necessários para segurar com alfinetes uma presidência espúria de Calderón?”

 8. A aparente mudança de estratégia do governo federal em Oaxaca, nos últimos dias, obedece, em todo o caso, à decisão tomada em Washington de prescindir, já não de forma gradual mas sim bruscamente, do PRI, num possível governo de facto calderonista, coma a ameaça de Fox e Salinas de acelerar o processo político tendente a um desaparecimento mais rápido do priísmo do cenário nacional. O comunicado do embaixador dos EUA, Tony Garza, depois do homicídio de Will, exigindo que se voltasse ao “império da lei e da ordem em Oaxaca”, que foi uma ordem para Fox e sem hesitar enviou a FPF, teria sido considerado inadmissível, noutros tempos, por constituir uma ingerência inadmissível, mas agora passou desapercebido, com a marca da cobardia dos actuais governantes panistas.

9. O conflito em Oaxaca deve enfrentar-se por via do diálogo e não pela força de corpos repressivos, como exigiram todos os sectores intelectuais a Fox e Calderón, o duo que pretende governar no “interregno”. Mas a inaptidão e falta de vontade democrática dos panistas, mostrada este ano com as selvagens repressões em Sicartsa e em Atenco, não faz vislumbrar que a razão da sociedade se possa impor facilmente aos interesses e à obnubilação ideológica da extrema direita no poder. Calderón evidenciou a sua miopia no comunicado que leu o seu porta-voz ao mesmo tempo que se combatia nos arredores da Cidade Universitária de Oaxaca, pois indicou que desejava que as acções policiais e militares culminassem “com êxito”, para alcançar aquilo a que chamou, com a ignorância que o caracteriza, “a normalidade da vida pública no estado de Oaxaca”.

10. A “normalidade” da vida pública em Oaxaca não irá ser conseguida com o triunfo da força, nem sequer com a saída de Ulises Ruiz, nem quando comecem a atender as exigências do povo de Oaxaca que é hoje legitimamente representado pela APPO, mas sim quando o povo possa ser dono do seu destino sem estar submetido às minorias que hoje mandam no país e que estão a encontrar nos panistas o seu instrumento preferido.

 

Texto da autoria de Luis Javier Garrido, publicado a 3 de Novembro de 2006 em http://www.jornada.unam.mx/2006/11/03/030a2pol.php e traduzido por Alexandre Leite.

publicado por Alexandre Leite às 16:25

link do post | comentar | favorito
|

Todos os textos aqui publicados são traduções para Português de originais noutras línguas. Deve ser consultado o texto original para confirmar a correcta tradução. Todos os artigos incluem a indicação da localização do texto original.

Ouça música enquanto lê isto!!! Rádio Blog da 'Informação Alternativa'

Ligações

eXTReMe Tracker